Páginas

domingo, 10 de outubro de 2010

Pizza, Pizza, Pizza!!!

Este blog começou por causa da receita de uma pizza. Mais especificamente, desta aqui.

No entanto, estou sempre querendo aperfeiçoá-la, testando novos métodos. Meu objetivo é chegar o mais próximo possível da saudosa pizza paulistana. O próprio post original já sofreu inúmeras edições... Uma dúvida dos leitores que sempre rondou essa receita era: "posso assar essa massa no forno a gás?" (já que eu só uso meu forno a "carvão").

Então, olhem só que vídeo fantástico encontrei hoje nesses passeios "internéticos" que fazemos quando estamos nada ocupados! Está em inglês, mas a Jill Santopietro, da NYT Magazine, representa ali muitos problemas que eu já tive, como a massa que gruda na tábua - dei muita risada do método "maluco" dela!!! - e também ensina como assar a pizza no forno a gás de qualquer fogão de casa.


A resposta é usar a "pedra refratária" pré-aquecida! Lógico! Nada de pré-assar. Como não pensei nisso antes? E a pedra dela é igualzinha a da minha churrasqueira! Mas acho que servem até aquelas fôrmas de pedra sabão, mais fáceis de serem encontradas nos mercadões ou cidades turísticas mineiras. A massa dela é praticamente igual à receita que faço, mas coloco abaixo a receita para quem não entender direito. A sugestão de recheio é fantástica: cebola caramelizada, figos secos, queijo gorgonzola e bacon (mas...sem molho??? Ai, americanos...).

  • 3 xícaras de farinha (ela usa metade de "all purpose flour" - ou a nossa "farinha tipo 1" - e metade de "bread flour" - que é farinha para panificação, mais rica em glútens...acho que não existe no mercado, mas talvez você consiga comprar um pouco numa padaria)
  • 2 e 1/2 colheres (chá) de sal
  • 3/4 de colher (chá) de fermento biológico instantâneo
  • 1 e 1/2 xícara de água
  • 3 colheres (sopa) de azeite
Modo de fazer: misture o fermento com o sal e a água (fria). Acrescente a farinha e o azeite e mexa com uma colher até agregar os ingredientes. Coloque na batedeira (batedor gancho - para massas pesadas) e bata por um minuto na velocidade baixa e depois por mais 4 a 6 minutos em velocidade alta. Tire da batedeira e coloque sobre superfície enfarinhada, só dobrando-a sobre si mesma. Deixe descansar 10 minutos. Divida então a massa em duas, sove rapidamente e coloque para crescer durante 3 horas sobre um prato regado com azeite. Dá duas pizzas grandes.

Pós-post (17/10/10): Fiz e ficou ÓTIMA! A massa na batedeira fica mais elástica, bem parecida com as que a gente compra. Também faz diferença deixá-la fermentando por três horas. Deu até arrependimento por não ter comprado a Kitchen Aid...mas a valente planetária deu conta sossegada de meia receita (com o batedor de gancho).

2 comentários:

Leo Nunes disse...

Ola! Gostaria de confirmar com vc o que ela diz sobre manter na geladeira por 5 a 6 dias? Foi o que entendi. Obrigado pelo site, é fantástico. Abs.

Anônimo disse...

Bom dia! Creio eu que posso ajudá-lo. Normalmente se mantém massa de pizza em geladeira, quando a farinha tem mais glúten, caso das farinhas americanas e italianas. A baixa temperatura não impede o trabalho do fermento, mas o deixa mais lento. Depois desse período, a massa ganha mais estrutura, mais sabor e não ficará pesada no estômago, já que o tempo de descanso da mesma foi mantido, de maneira correta. Como no Brasil, as farinhas possuem menos glúten, não há necessidade de tantos dias, em geladeira. Se mora em região muito quente, pode utilizar água gelada. Caso contrário, a use em temperatura ambiente. Um abraço! Espero tê-lo ajudado!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails